o seu sítio de poesia

BUSCA SONETO

RIMADOR

SONETOS FAMOSOS
SONETOS MEUS
SONETOS SEUS
COMUNIDADE
HISTÓRIA
RIMADOR
PARA OUVIR
SONETO-ARTE
COMO ESCREVER
LIVRO DE VISITAS
SONETOS NO MUNDO
SOBRE ESTE SÍTIO

Acesse também o Twitter do sítio!
Estamos agora no Facebook! Procure pelas comunidades Sonetos e SONETOS.com.br!
ROMEU E JULIETA

William Shakespeare



O grande poeta inglês gostava de brincar com as suas composições, recheando-as de significados ocultos e de alusões a outras formas poéticas, textos, acontecimentos ou lugares - referências estas que passam desapercebidas ao olhar menos atento. São tantas as "peças" do teatrólogo que existem dezenas de sítios na Internet destinados a "desvendá-las"... Aqui, reproduz-se um exemplo notório da genialidade do mestre.

No primeiro ato, cena 5, da mais famosa história de amor, ocorre o primeiro diálogo entre Romeu e Julieta. Nesta conversa (reproduzida abaixo na versão original e em português), os futuros amantes trocam palavras, ou melhor, versos, que juntos (acredite!) formam os catorze elementos de um legítimo soneto inglês...

A HALL IN CAPULET'S HOUSE

ROMEO [To JULIET]

If I profane with my unworthiest hand
This holy shrine, the gentle fine is this:
My lips, two blushing pilgrims, ready stand
To smooth that rough touch with a tender kiss.

JULIET

Good pilgrim, you do wrong your hand too much,
Which mannerly devotion shows in this;
For saints have hands that pilgrims' hands do touch,
And palm to palm is holy palmers' kiss.

ROMEO

Have not saints lips, and holy palmers too?

JULIET

Ay, pilgrim, lips that they must use in prayer.

ROMEO

O, then, dear saint, let lips do what hands do;
They pray -- grant thou, lest faith turn to despair.

JULIET

Saints do not move, though grant for prayers' sake.

ROMEO

Then move not, while my prayer's effect I take.

(...)

TRADUÇÃO

NUM SALÃO DA CASA DOS CAPULETOS

ROMEU (a Julieta)

Se minha mão profana o relicário
em remissão aceito a penitência:
meu lábio, peregrino solitário,
demonstrará, com sobra, reverência.

JULIETA

Ofendeis vossa mão, bom peregrino,
que se mostrou devota e reverente.
Nas mãos dos santos pega o paladino.
Esse é o beijo mais santo e conveniente.

ROMEU

Os santos e os devotos não têm boca?

JULIETA

Sim, peregrino, só para orações.

ROMEU

Deixai, então, ó santa! que esta boca
mostre o caminho certo aos corações.

JULIETA

Sem se mexer, o santo exalta o voto.

ROMEU

Então fica quietinha: eis o devoto.

(...)

ENVIAR SEU SONETO

INDICAR O SÍTIO

Aqui no SONETOS.COM.BR, já mostramos uma dessas "peças" de Shakespeare, na seção Soneto-Arte. Clique aqui e confira.
© 2002-2010 Bernardo Trancoso. Todos os direitos reservados.